Competição nacional tem entre seus objetivos apoiar os professores da rede pública no aprimoramento das práticas de ensino de leitura

Quatro professoras da rede estadual de ensino de Minas Gerais foram selecionadas para a fase final da 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa. São elas: Rosileni Muniz da Silva, da E.E. da Vila Novo Horizonte, em Montalvânia; Lourdes Aparecida Lopes Barbosa de Souza, da E.E. de Lambari, em Novo Cruzeiro; Shantynett Souza Ferreira Magalhães Alves, da E.E. Betânia Tolentino Silveira, em Espinosa; e Renata Soares Souza Dias, da EE Dom Lúcio, também no município de Espinosa. As educadoras aguardam agora a divulgação dos vencedores da competição, que está marcada para 10 de dezembro.

A professora Lourdes, da Escola Estadual de Lambari, foi selecionada como finalista em dois gêneros: crônica e artigo de opinião. Para ela, sempre foi um sonho participar da competição e ver o nome da unidade de ensino em destaque. “Essa é a escola em que eu e meus filhos estudamos. Agora trabalho aqui e meu grande desejo era participar da Olimpíada e levar o nome da minha instituição. Ao chegar na final me sinto realizada. Eu e os alunos nos dedicamos muito”, conta.

Professora Lourdes, da Escola Estadual de Lambari. Foto: Arquivo Pessoal

Para participar da Olimpíada, escolas de todo o país tiveram que desenvolver oficinas com os alunos. Com a pandemia da Covid-19, as atividades foram realizadas de forma remota e na Escola Estadual da Vila Novo Horizonte, com grande parte dos alunos morando na zona rural, a alternativa foi desenvolver as atividades de forma impressa, como destaca a professora Rosileni. “Enviamos as atividades impressas para os alunos e com orientações de como resolvê-las. Nos grupos postamos vídeos e áudios com orientações das atividades das oficinas. Foi tudo adaptado de acordo com a nossa realidade. Também buscamos motivar bastante os alunos”.

Professora Rosileni, da Escola Estadual da Vila Novo Horizonte. Foto: Arquivo Pessoal

Em um ano com tantos desafios, ser selecionada como finalista foi muito importante para a educadora. “Superamos as dificuldades da nossa realidade local e também do distanciamento social. Ao fazer uma análise de todo trabalho realizado, percebo que aprendi muito. Aprendi com os meus alunos no trabalho sequenciado com cada gênero textual, aprendi a apreciar e valorizar mais o lugar onde vivo, aprendi também a escrever o meu relato de prática, através da reflexão do meu fazer pedagógico”, revela Rosileni.

No município de Espinosa, duas escolas estaduais foram selecionadas para a fase final. Na Escola Estadual Dom Lúcio, a participação na competição já é tradição e para Renata, mesmo com todos os desafios, o esforço dos professores e alunos valeu a pena. “É uma alegria imensa esse resultado e ainda mais em saber que as nossas práticas pedagógicas estão no caminho certo, apesar dos desafios educacionais pelos quais passamos, tendo que aprender e adaptar novas práticas e estratégias em tão pouco tempo. Todo esforço vale a pena, pois prezamos por uma educação pública de qualidade”, conclui.

Professora Renata com os alunos que participaram da Olimpíada. Foto: Arquivo Pessoal

Na Escola Estadual Betânia Tolentino Silveira, os alunos da professora Shantynett foram selecionados nos gêneros de documentário e artigo de opinião. A educadora conta que para a realização das atividades conseguiu conciliar as atividades propostas pelos Planos de Estudos Tutorados (PETs) e as sequências didáticas, apresentadas pela organização da Olimpíada. “Fomos adaptando as sequências e unindo com o PET. Foi um trabalho concomitante”.

Na edição de 2019 da Olimpíada de Língua Portuguesa, a escola também havia sido finalista. “Fizemos as atividades com uma maturidade maior, mas também tivemos um grande desafio que foi a pandemia da Covid-19. Com isso, usamos estratégias diferenciadas e ficamos muito felizes com o resultado, porque conseguimos mobilizar toda comunidade. Tudo foi muito gratificante”, finaliza Shantynett.

Antes de serem selecionadas para a etapa final, as professoras e seus alunos participaram dos “Encontros de Semifinalistas”, realizados entre os meses de outubro e novembro. Em reuniões virtuais, com duração de quatro dias, as profissionais participaram de atividades remotas que envolveram palestras, debates, encontros virtuais, entre outros.

Professora Shantynett, da E.E. Betânia Tolentino Silveira. Foto: Arquivo Pessoal

A lista com todos os finalistas para etapa final da Olimpíada pode ser acessada no site https://www.escrevendoofuturo.org.br/ .

A Olimpíada

A Olimpíada de Língua Portuguesa, que objetiva apoiar os professores da rede pública no aprimoramento das práticas de ensino de leitura e escrita, recebeu mais de 112 mil inscrições nesta 7ª edição e teve a adesão de todos os estados brasileiros, 3.877 municípios e mais de 27 mil escolas inscritas.

O concurso pretende evidenciar como protagonistas o professor e a sua turma de estudantes e os estimulou a construir o Relato de Prática e registrar os processos de ensino-aprendizagem vivenciados durante o trabalho de produção de um dos gêneros textuais e produção audiovisual do concurso: Poema, Memórias literárias, Crônica, Documentário e Artigo de opinião.

O tema norteador para a produção do Relato de Prática foi "O lugar onde vivo". A partir da produção do relato, crianças e jovens tiveram a oportunidade de aprender a produzir um gênero discursivo e se aprofundar ainda mais sobre o lugar onde vivem.

A iniciativa integra o Programa Escrevendo o Futuro, desenvolvido pelo Itaú Social com a coordenação técnica do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária). Conta com a parceria do MEC (Ministério da Educação), da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação), da Fundação Roberto Marinho e do Canal Futura.