Mais de R$ 96 milhões já foram destinados para pequenos reparos, pintura e outras intervenções de menor porte em escolas em todo o estado

“Há muito tempo que não se investia tanto em infraestrutura das escolas estaduais como atualmente”. Essa frase é do diretor da Escola Estadual João XXIII, em João Monlevade, na Região Central de Minas, que vivencia, diariamente, a realidade em uma unidade de ensino da rede estadual de Minas Gerais. Rubens Brandão Gonçalves e muitos outros gestores das escolas estaduais mineiras comemoram a destinação de recursos que têm renovado a autoestima de alunos e professores de pertencer a esses espaços. Até o momento, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) já disponibilizou mais de R$ 96 milhões para o reforço na manutenção predial em 2.247 unidades escolares.

No caso da Escola Estadual João XXIII, na área da Superintendência Regional de Ensino (SRE) de Nova Era, há mais de uma década que o prédio não recebia tinta nas paredes. Com isso, foi prevalecendo o aspecto triste e sem vida, nas palavras do diretor Rubens. Ele conta que sempre tentou recursos para viabilizar essa melhoria, mas nunca conseguia que o anseio fosse viabilizado. “A escola estava há mais de 10 anos sem manutenção, a pintura estava muito deteriorada. Por isso, optamos por solicitar o recurso ofertado pela SEE/MG para começar por ela”, conta.

Para a obra da unidade foram destinados cerca de R$ 70 mil, que resultaram na verdadeira transformação do lugar, que recebeu, tanto nos muros, como na parte interna, as cores da logomarca da instituição de ensino. “Os pais e os alunos foram à escola, ficou todo mundo encantado. Antes a escola estava apagada, agora deu uma alegrada, voltou a ser referência no bairro. As pessoas usam os muros até para tirar foto”, comemora.

Solicitação do recurso

De acordo com o superintendente de Infraestrutura e Logística, Augusto César Guimarães de Souza, o objetivo da destinação desses recursos é para que as escolas possam fazer manutenções corretivas nos prédios escolares, como troca e conserto de esquadrias, portas, janelas, pisos, torneiras, além da realização de pinturas e outras intervenções.

Todas as escolas podem receber esse recurso. Para isso, o superintendente explica que a direção das unidades de ensino devem fazer, pelo menos, três orçamentos a serem executados, e encaminhar à SRE responsável pela região para que seja feita a análise. Com o aval da regional, o órgão central da SEE/MG faz o encaminhamento do recurso para a caixa escolar. “Esperamos que, com este programa, as escolas estejam sempre em boas condições e com um ambiente agradável e adequado para o aprendizado”, afirma Augusto.

Em março deste ano, a Diretoria de Rede Física da SEE/MG elaborou e encaminhou material para orientar e auxiliar os diretores das escolas da rede pública estadual neste trabalho. O Manual de Manutenção dos Prédios Escolares 2021 - que pode ser acessado AQUI-, traz um plano e uma rotina que têm como objetivo efetuar reparos importantes nos equipamentos prediais, resolvendo possíveis defeitos e proporcionando, assim, durabilidade muito maior.

Emoção
Não tem outro sentimento que não seja emoção, quase às lágrimas, por receber o recurso e ver o sonho saindo do papel, para descrever a empolgação da diretora Maria Edna Fernandes Costa, da Escola Estadual Monsenhor Manoel, município de Medina, no Vale do Jequitinhonha. Emocionada, ela conta que não acreditou quando viu que os recursos para a reforma do banheiro e para a compra de mobiliário e equipamentos caíram na conta da unidade de ensino, pertencente à SRE de Araçuaí. “Quando vi aquele tantão de dinheiro, fiquei muito empolgada. A reação foi tamanha porque tenho 68 anos de idade, estou há dez na direção, e nunca vi na minha vida um governo se importar tanto com a nossa escola”, relatou.

Recurso repassado para a Estadual Monsenhor Manoel foram para reforma do banheiro e compra de mobiliário e equipamentos. Foto: Arquivo da Escola

Edna conta que o recurso foi usado para reformar os banheiros da escola, que estavam sem pia, com as portas caindo, entre outros problemas. Ela disse que os alunos e professores ficaram muito felizes com a melhoria. “A escola ficou mais bonita, mais alegre. Foi de grande valia. Os alunos chegaram e viram o banheiro todo arrumado, parte do refeitório. Foi um grande momento”, festeja.

Enviar para impressão