Iniciativa é dedicada à alunos da rede estadual em progressão continuada, que apresentaram aproveitamento inferior a 60% no primeiro bimestre e que retomaram os estudos após a campanha de Busca Ativa

Um trabalho pedagógico mais individualizado, focado nas necessidades do estudante e uma metodologia de ensino mais dinâmica e interativa. Essas são características das aulas do programa de Reforço Escolar, ministrados na rede estadual de ensino. Com aulas extras, o aluno tem a oportunidade de ter um acompanhamento mais próximo do professor e tirar dúvidas sobre os conteúdos.

No segundo semestre deste ano, a iniciativa é direcionada aos alunos da rede estadual de ensino que estão no 6º ou 9º ano do ensino fundamental e no ensino médio e que estão em progressão continuada; e apresentaram aproveitamento inferior a 60% em Língua Portuguesa e Matemática no primeiro bimestre; ou que desistiram da escolarização ano passado, mas voltaram este ano na campanha de Busca Ativa. Esses estudantes terão a oportunidade de participar do programa e recuperar habilidades ainda não consolidadas. Serão ofertadas cerca de 150 mil vagas para o Reforço Escolar nesse segundo momento de formação de turmas do programa.

“O nosso foco são estudantes que, para vencer o ano de escolaridade de 2021 precisam de suporte. Daí a importância de participar do Reforço Escolar, porque nas aulas extras os professores desenvolvem um trabalho mais próximo e focado nas necessidades do aluno”, explica a superintendente e Políticas Pedagógicas da SEE/MG, Esther Barbosa.

Para participar da iniciativa é necessário entrar em contato com o diretor da unidade escolar e fazer adesão para participar da iniciativa. As escolas também estão se organizando e entrando em contato com as famílias para explicar como funcionará o reforço escolar e saber do interesse dos estudantes em participar. A participação nas aulas extras depende da adesão dos pais e/ou responsáveis pelo estudante.

No Reforço Escolar, são ministradas aulas voltadas para os conteúdos de Língua Portuguesa e Matemática. Cada escola poderá organizar a melhor forma de oferta das aulas. Os encontros virtuais poderão acontecer no 6º horário ou no contraturno. As aulas acontecerão pelo aplicativo Conexão Escola 2.0 e, nos casos em que o estudante não tiver acesso à internet, a escola deverá disponibilizar as atividades preparadas pelo professor de forma impressa.

Reforço escolar no 1º semestre
No primeiro semestre deste ano, o programa de Reforço Escolar contou com a participação de mais de 25 mil estudantes. Participaram alunos que tiveram dificuldades em entregar o Plano de Estudo Tutorado (PET) ao longo do ano letivo de 2020 e que durante a avaliação diagnóstica, aplicada em 2020, demonstraram que ainda não havia consolidado determinadas habilidades.

Para os alunos da rede estadual que participaram da iniciativa, as aulas auxiliaram a ter um melhor desempenho durante o ensino remoto, como conta o aluno do 2º ano do ensino médio da Escola Estadual José da Silva Couto, Contagem, Wyller Rocha Esteves. “Eu evoluí muito em matemática e pretendo melhorar nos outros conteúdos também. Os professores estão se empenhando e esforçando para nos ajudar”.