Uma escola amiga do meio ambiente e alunos, professores e funcionários mais conscientes sobre a importância da preservação dos recursos naturais e de atitudes que visem à sustentabilidade. Depois de cerca de um ano de atividades para cumprir desafios estabelecidos pelo programa Pró-Mananciais, da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), esta é a realidade da Escola Estadual José dos Santos Neiva, localizada no distrito de Engenheiro Schnoor, em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha de Minas Gerais.

A escola está localizada a cerca de 200 metros do Rio Gravatar, que tem como afluente o Córrego Bom Sucesso, e os dois cursos são considerados nascentes do grande Rio Araçuaí, que tem mais de 250 quilômetros de extensão, abastece 23 municípios e banha 19 deles. Como um dos alvos do Pró-Mananciais é a recuperação e preservação de cursos d’água que alimentam as diversas bacias hidrográficas de Minas Gerais, a José dos Santos Neiva foi convidada a participar do programa, que ofereceu uma “recompensa” caso todas as metas fossem cumpridas.

Escola Estadual José dos Santos Neiva, localizada no distrito de Engenheiro Schnoor, em Araçuaí, fica a cerca de 200 metros do Rio Gravatar. Foto: Arquivo da Escola

Foram cinco os desafios: Feira Verde, Campanha do Lacre, Feira do Desapego, Campanha do Óleo Usado e Oficina VC Repórter. De acordo com o diretor da unidade escolar, Magno Marangone, o alcance das atividades para cumprir as metas foi além do esperado, pois toda a comunidade abraçou a causa e se envolveu. “Na Feira Verde, alunos, familiares, professores e funcionários trouxeram uma muda de planta. Podia ser ornamental, frutífera, medicinal, qualquer uma. O principal propósito era trocar entre os participantes. Ou seja, quem chegou com uma muda levou outra de espécie diferente para casa e plantou. Foi um dia de troca de informações e experiências com plantio e horta e um momento muito bom de socialização entre todos do nosso distrito, que é pequeno”, disse o diretor.

Já no desafio do óleo utilizado, os alunos teriam que arrecadar 140 litros da substância que já tinha sido usada na cozinha e seria descartada como lixo comum. “Todo o óleo entregue foi distribuído entre moradores da comunidade para fabricação de sabão caseiro”, explicou Magno. Para a Campanha do Lacre, o Pró-Mananciais estabeleceu o recolhimento de 140 garrafas pet descartáveis cheias de lacres de latas de alumínio, desafio que foi cumprido pelos estudantes. Na Feira do Desapego, o propósito era doar aquela peça de roupa ou acessório que não se usava mais para quem quisesse. “Foi como um bazar. Mas não envolveu troca financeira. Quem quisesse algo que estava exposto era só pegar. O que sobrou foi doado a uma instituição beneficente de Engenheiro Schnoor”, contou Magno. A oficina VC Repórter estimulava os alunos a escrever notícias sobre o meio ambiente para serem exibidas no mural da escola e incentivar a preservação.

Todas as atividades foram desenvolvidas ao longo do ano, e ainda contou com palestras e tutoriais realizados por profissionais especializados em meio ambiente da Copasa. Ao final das ações, com metas e desafios cumpridos, a José dos Santos Neiva recebeu o selo Chuá – Escola Amiga do Meio Ambiente, e a recompensa prometida começa a ser construída no primeiro semestre de 2019. “Podíamos escolher entre várias opções, entre elas a decoração do muro da escola com grafites e arte moderna e um kit multimídia. Mas toda a comunidade, por bem e posso dizer que quase por unanimidade, escolheu a caixa de captação de água da chuva com capacidade para 53 mil litros, porque todos os anos, de agosto a novembro, passamos muita dificuldade com a escassez tremenda de água. Com a captação, vamos usar para a horta comunitária, para o prédio da escola, e também dividir com todos do distrito que precisarem”, apontou o diretor.

Projeto foi desenvolvido ao longo do ano na escola, com diversas atividades de preservação e conscientização ambiental. Foto: Arquivo da Escola

Na opinião dele, a maior recompensa vai muito além da caixa de captação. “Conseguimos atingir o objetivo de sensibilizar os alunos para a questão ambiental. A comunidade se envolveu muito também, porque desde 2015, que foi quando o rio Gravatar secou pela primeira vez, é que todos perceberam que só damos valor ao recurso natural quando ele falta. Então, todas as oficinas e conversas que esse projeto proporcionou nos tornaram muito mais conscientes sobre a importância do consumo consciente, da preservação, do resgate de recursos naturais”, finalizou Magno.

Além do Selo Chuá, a escola participou da assinatura do Pacto das Águas, que uniu, além da Copasa, membros da comunidade, igrejas, sindicato dos trabalhadores e fazendeiros, com objetivo de selar uma parceria para atuação conjunta em prol do meio ambiente e das nascentes Córrego Bom Sucesso e Rio Avatar e outros cursos d’água que fazem parte da região.

Mais verde em Engenheiro Schnoor

Também fez parte das atividades do Pró-Mananciais em Engenheiro Schnoor, a arborização de todo o distrito, a revitalização da praça local e o plantio de mudas para cercar todo o Córrego Bom Sucesso, com objetivo de preservá-la e também possibilitar captação de água da chuva direto das folhas.

Pró-Mananciais

Aprovado pela Agência Reguladora dos Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário de Minas Gerais (Arsae MG), o programa foi implementado pela Copasa em dezembro de 2016 com o objetivo de preservar os mananciais utilizados para o abastecimento público. O Pró-Mananciais busca o envolvimento das comunidades na proteção do meio ambiente e vem envolvendo entidades e parceiros em várias regiões do Estado. O programa já funciona em 118 cidades e a meta é alcançar 164 municípios, com 200 hectares de mudas plantadas no Estado, até o final de 2018.

Comunidade escolar comemora os resultados do projeto e vai receber da Copasa uma caixa de captação de água da chuva. Foto: Arquivo da Escola