Alunos fazem fila na Escola Estadual Geraldo Bittencourt, em Conselheiro Lafaiete, para participar da eleição de Representantes de Turma. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

O processo de eleição de representantes de turma nas escolas estaduais mineiras, orientado pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE) por meio da Diretoria de Juventude e pela Coordenação de Educação em Direitos Humanos em Cidadania, teve início no dia 1º de março e vai até a próxima sexta-feira (16).

Os representantes de turma serão os interlocutores entre seus colegas de sala e a gestão da escola e a comunidade. Esses interlocutores também terão o papel de fomentar a participação estudantil no ambiente escolar.

Nesta terça-feira (13), na Escola Estadual Monsenhor Horta, em Conselheiro Lafaiete, no Território das Vertentes, os candidatos a representantes de 14 salas turmas de 2º e 3º anos do Ensino Médio participaram de um workshop sobre liderança para conhecerem melhor o papel que pretendem desempenhar. O conteúdo foi passado pelo diretor Paulo Tavares Baptista, que aprova a eleição dos estudantes como um reforço ao protagonismo juvenil defendido pela SEE.

“Os alunos precisam se apropriar desse processo e, para isso, a direção da escola tem um papel importante, que é dar voz a eles. É preciso sentar, conversar, estar de portas abertas , escutar os problemas que eles trazem e estudar juntos para encontrar uma solução. Isso deveria ser rotina nas escolas há muito mais tempo”, disse o diretor.

A aluna do 2º ano Lara Ester é candidata à reeleição – em 2017, ela foi escolhida como representante de turma entre seus colegas – e pretende fazer um trabalho ainda mais significativo, caso ganhe a disputa. “Gostaria de ser eleita para cumprir o papel de líder de turma e ajudar a resolver, por exemplo, o problema de espaço que temos hoje – nossa turma é muito grande e a sala de aula muito pequena. Além de solucionar outras demandas, queria também fazer parte do Conselho de Representantes de Turma, pois acredito que os representantes de cada sala, juntos, poderão tratar de forma mais ampla as necessidades de todos os alunos, e também deixar a escola mais com a nossa cara ”, disse Lara. As eleições na referida escola estão previstas para acontecer nesta quinta-feira (15).

Os representantes de turma escolhidos vão formar o Conselho de Representantes da escola, composto por cada estudante eleito, responsável por escolher dois alunos líderes de classe para representar a sua escola na Superintendência Regional de Ensino (SRE) correspondente. O objetivo é criar uma rede estadual de representantes de turma, cujos contatos serão organizados em um banco de dados para facilitar a comunicação da Secretaria e das SREs com os estudantes responsáveis pela mediação entre alunos, escolas e comunidade.

Diretor da Escola Estadual Monsenhor Horta, em Conselheiro Lafaiete, realizou workshop sobre liderança com os candidatos a Representantes de Turma dos 2º e 3º anos do Ensino Médio. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

Hora de Votar

A preparação dos alunos candidatos e eleitores da Escola Estadual Geraldo Bittencourt, também no município de Conselheiro Lafaiete, aconteceu no início de março e, nesta terça-feira (13), a biblioteca da unidade transformou-se em um verdadeiro local de votação, com direito a cabine, urna, mesário, comissão organizadora e fila para fazer as escolhas. No intervalo, pela rádio escola, a diretora Ivana Neves deu o recado: “Atenção, queridos alunos! Nossa eleição de Representantes de Turma já vai começar! Fiquem atentos aos avisos sobre o momento de cada sala fazer sua escolha e boa votação a todos!”. Ivana comentou sobre o quanto este processo de eleição é importante para os alunos da Geraldo Bittencourt.

“Nós fizemos todo um preparo com eles, explicamos todo o processo, o perfil que os representantes têm que ter, no que eles teriam de prestar atenção na hora de votar, entre outras questões importantes. No entanto, no momento de votação, principalmente dos alunos do Ensino Médio, notamos um certo despreparo deles em uma situação de votação eleitoral. Então, esse processo, além de ser importante em relação à participação estudantil e à representação do aluno na escola, é fundamental também para treinar o exercício da cidadania e da democracia, em todos os seus âmbitos”, defendeu Ivana.

Os alunos da comissão organizadora da eleição de Representantes de Turma na Geraldo Bittencourt. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

A coordenadora dos anos finais do Ensino Fundamental, Cláudia Fernandes, explica que toda a equipe escolar se empenhou em divulgar entre os estudantes a relevância da escolha de representantes de turma e o quanto é fundamental a participação dos estudantes nesta primeira etapa. “O papel dos jovens hoje é muito de receber, e o que a gente quer com essa votação é que eles passem a ser protagonistas dentro da escola, que eles levem as demandas deles até a direção e à comunidade e vice-versa. Estamos confiantes de que esse ano será de muito trabalho em conjunto com nossos alunos”, disse, esperançosa, a coordenadora.

O aluno do 6º ano, Carlos Santos, de 11 anos, disse ter estudado as propostas dos três candidatos de sua turma e espera que o vencedor cumpra o papel ao qual se dispôs. “Votei em quem eu achei mais importante e inteligente. Mesmo se a pessoa em quem votei não ganhar, vou participar para cobrar do meu representante um bom trabalho”, manifestou Carlos.

O voto de Carlos, assim como de todos os alunos, é secreto. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

Eleito

Questionado sobre estar pronto para cumprir o papel de líder da classe, o estudante Leonardo Coelho Gurgel, do 8º ano, disse que sim. E vai ser preciso. Afinal, ele foi eleito representante de turma pelos seus colegas e, agora, terá que desempenhar o que se propôs a fazer. “Eu pretendo ajudar todo mundo que precisar, principalmente se muitos alunos quiserem uma mesma coisa, pois é sinal de que é uma demanda importante. Acho que ter os representantes de turma na escola é fundamental porque todo mundo tem que ter a hora de falar, e algumas pessoas ainda se sentem tímidas, constrangidas para isso. Tendo alguém em quem se pode confiar para falar algo que gostaria que chegasse à direção, à comunidade ou até mesmo aos colegas facilita muito uma boa convivência dentro da escola”, afirmou Leonardo.

Diálogo

Analistas da equipe da Diretoria de Juventude da SEE fizeram o acompanhamento dos processos de eleição de representantes de turma nas duas escolas citadas e em mais duas, também em Conselheiro Lafaiete: Escola Estadual Augusto José Vieira e Escola Estadual Narciso de Queirós. Como a Diretoria é uma das responsáveis pela implementação da política de fomento à participação estudantil, os especialistas estiveram presentes para conversar com os alunos e saber como foi a preparação para a votação, como foi o entendimento, se houve dúvidas e se há críticas e propostas a se fazer.

Em cada escola, foram selecionados cinco alunos para responder a um breve questionário e, para um dos analistas, Tiago Vieira, o resultado foi melhor do que o esperado. “As visitas foram muito positivas porque conseguimos perceber que as escolas estavam realizando um processo democrático. Nas escolas em que estivemos a discussão sobre a democracia foi muito forte e os estudantes tiveram muitas falas sobre a necessidade do processo democrático. Em uma delas, um dos estudantes eleitos discursou e disse que a eleição de representantes vai ajudar para que ele seja um cidadão melhor e, que com este processo de votação, os estudantes vão aprender a fazer um Brasil melhor. Achamos bem legal ouvir isso de um estudante e percebemos, também, que estes jovens querem ser ouvidos, querem fazer a diferença na escola, querem fazer a sala deles e a escola deles melhor. Então, com isso, a gente vê que é um resultado muito positivo e que o trabalho está alcançando o objetivo”, finalizou Tiago.

O analista da Diretoria de Juventude da SEE, Tiago Vieira, em conversa sobre a Eleição de Representantes com aluna do Ensino Fundamental da Escola Estadual Geraldo Bittencourt. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

Gleidson Carlos, também analista da SEE, conversa com estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental sobre o processo de votação dos líderes de turma. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)