Equipe de professores surpreendeu com desenvoltura e empenho. Foto: Divulgação/SEE/MG

 

A primeira semana de exibição das teleaulas do “Se Liga na Educação” foi um sucesso de audiência. Os números verificados demonstram o interesse pelo programa veiculado pela Rede Minas. A boa recepção ao conteúdo não poderia ser diferente, considerando a dedicação e o empenho dos professores, que estão à frente das teleaulas, e dos profissionais da emissora.

Na segunda-feira (18/05), foram ao ar as primeiras teleaulas, mas o trabalho de todos os envolvidos começou bem antes, ainda em abril. Com vários anos de experiência em sala de aula, mas sem muita intimidade com estúdios e câmeras de TV, os professores da rede estadual que aceitaram participar do desafio de conduzir as teleaulas entenderam a necessidade de se dedicar ao momento e partiram para encarar o “novo”.

Novo aprendizado

Desafio! Essa é a palavra dita por todos ao relatar como venceram a insegurança da novidade e fizeram para transformar o receio em aprendizado. A professora de Ciências, Leonora Batista Campos, que tem 25 anos de profissão, contou como está fazendo para viver a nova realidade. A experiência acumulada com o tempo foi usada, segundo ela, no momento de encarar a câmera.

A opção por usar exemplos do cotidiano, para fazer com que os alunos que assistem de casa entendam, fez com que ela ficasse mais tranquila e vencesse a insegurança das aulas iniciais. “Eu estava mais apavorada antes de começar, porque não sabia como era e como se portar sem o olhar dos alunos para nos guiar. Mas, eu me senti tranquila. A equipe me deixou muito à vontade”, disse.

Da mesma forma, o professor de Biologia, Vinícius Braz, relatou que a tensão inicial vem sendo superada a cada gravação e a maneira de se posicionar diante das câmeras já está mais natural. Segundo ele, que dá aulas desde 2011, o principal desafio foi vencer o incômodo de se ver nos vídeos, mas o apoio e a experiência da equipe da Rede Minas foram fundamentais.

Para ajudar na adaptação, Vinícius revelou que assistiu aulas on-line de outros professores no para aprender um pouco da técnica e saber como fazer. “Eu foco na câmera como se fosse um aluno”, conta. Ele ressalta ainda o orgulho de participar do projeto. “É uma experiência única. Nunca me imaginei dando aulas para o estado inteiro. No início a gente pode até errar e receber críticas, mas eu sei que está todo mundo empenhado em fazer o melhor”, destacou.

Já a professora de História, Maria Dirce Gontijo, a Didi, como é conhecida, destacou que tem se sentido muito orgulhosa de participar do projeto. Para ela, o momento inédito na história da educação faz com que a iniciativa seja ainda mais louvável, por permitir que os estudantes consigam ter acesso ao aprendizado, mesmo tendo que fazer isolamento social. Situação que ajuda a vencer o frio na barriga, já que está foi a primeira vez que ela entrou em um estúdio de TV. “O conteúdo que estamos produzindo é de alto nível e essas aulas vão poder ser usadas mesmo depois, quando as atividades presenciais forem retomadas. Porque nada substitui o contato pessoal", enfatizou.

Ainda de acordo com Didi, vários ex-alunos contaram que estão vendo o “Se Liga na Educação” para relembrar o tempo em que ela dava aulas para eles. “Tá sendo um trabalho muito gratificante. Quando você pensa que é do interior, o povo te ligando e parabenizando. Então é muito interessante, principalmente porque esse trabalho está alcançando os estudantes”, comemora.

Desenvoltura na frente das câmeras

Se por parte dos professores a novidade trazia uma certa ansiedade, a equipe da Rede Minas também não sabia como seria o comportamento dos educadores frente às TV, afinal, dar aulas em um estúdio é diferente da prática em sala de aula. Mas, o que se teve foi uma agradável e feliz surpresa. Para o roteirista do programa, Leo Ayres, o fato de falar em público fez com que todos tivessem desenvoltura no estúdio. “Impressionou todo mundo! Só tivemos que fazer com eles os testes para adaptar à câmera”, contou.

O coordenador de produção do “Se Liga na Educação”, Marcelo Torres, também ressaltou que a adaptação com as câmeras se deu de forma rápida e só foi preciso ajustar o tempo de cada aula, que precisam ter exatamente 20 minutos. Para deixar tudo certo, os cinegrafistas passaram a informar o tempo que já havia sido utilizado, assim eles iam adaptando a fala. “A gente fez plaquinha com os tempos. Então tinha uma quando chegava na metade da aula, com 10 minutos, e assim por diante. Assim, eles conseguiram adaptar bem”, contou.

Ainda de acordo com Marcelo, a dedicação de todos os membros envolvidos da equipe de produção do programa é o ponto alto do projeto. “Todo mundo está muito empenhado. Os professores solícitos e dispostos a aceitar as dicas que a gente dá e a equipe toda muito comprometida. Tanto por parte da Educação, quanto das pessoas que trabalham na TV. Por isso, o projeto está sendo esse sucesso”, concluiu.

Em alta

Só na primeira semana em que esteve no ar, o “Se Liga na Educação” alcançou picos de mais de 270 mil visualizações simultâneas na página da Rede Minas, no Youtube. Ainda considerando o site, de segunda a sexta-feira, no momento em que esteve sendo transmitido ao vivo, o programa com as teleaulas foi o conteúdo mais assistido no Brasil. Somando todos os dias da semana, já são mais de 2,5 milhões de visualizações dos programas.

O site estudeemcasa.educacao.gov.br, onde estão reunidas todas as apostilas do Plano de Estudo Tutorado (PET), disponíveis os vídeos das teleaulas e os guias práticos, registou cerca de 10,5 milhões de acessos considerando os últimos dias. Com média de mais de 1 milhão de acessos diários e 12 mil simultâneos por hora. Já o aplicativo Conexão Escola ficou entre os 10 mais baixados na Google Play Store durante toda a semana, chegando a ficar na quarta posição no ranking.

Enviar para impressão