Alunos da Escola Estadual Professora Marieta Castro, em Três Pontas, têm aula sobre a história da primeira fazenda da região, ainda da época da escravidão no Brasil. Foto: Arquivo/Escola

A preparação dos alunos da rede estadual para a edição 2019 da Olimpíada de Língua Portuguesa “Escrevendo o Futuro” está a todo vapor. Neste ano, o tema do concurso de produção de textos foi definindo como “O lugar onde vivo” e tem o objetivo de fazer com que os estudantes resgatem histórias, fortaleçam vínculos com a comunidade e aprofundem o conhecimento sobre a realidade em que vivem.

Na Escola Estadual Professora Marieta Castro, em Três Pontas, no Sul de Minas Gerais, a professora da Língua Portuguesa do 8º ano do ensino fundamental, Natália de Abreu Fortuozo, explica que o regulamento da competição define um gênero textual de acordo com a etapa de ensino do aluno e a categoria que ela está trabalhando com os estudantes é a crônica.

Ela conta que, durante as atividades, percebeu que os alunos conheciam pouco sobre a cidade e decidiu agregar à iniciativa ações que contribuíssem para a proposta. “Tive a ideia de procurar a Secretaria Municipal de Cultura para explicar o projeto. Com isso, conseguimos a parceria da equipe responsável pelo patrimônio histórico que compareceu à escola e deu palestras para os estudantes sobre as riquezas da nossa cidade”, explicou a professora.

Troca de experiências

Além das palestras, os alunos fizeram uma visita à Casa de Cultura de Três Pontas, um patrimônio histórico tombado, e, também, à Fazenda do Mato Seco, que foi a primeira grande propriedade rural do município.

Para acompanhar as visitas técnicas junto com os alunos, a professora convidou a escritora Adriana Silva Santigo. “O resultado foi maravilhoso. Tive um retorno de crônicas dos alunos que eu nem imaginava quando iniciei essas atividades. Além de conhecerem melhor sobre a cidade onde vivem, eles aproveitaram muito as dicas e macetes ensinados pela escritora”, disse a professora.

O responsável pelo departamento de patrimônio cultural da prefeitura municipal de Três Pontas, Ederson Malaquias, conversou com os alunos sobre as riquezas e histórias da cidade. Foto: Arquivo/Escola

Conhecimento de espaços e cultura

Na Escola Estadual Newton Amaral, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), a professora de Língua Portuguesa, Cássia Rezende Diniz, também organizou visitas com os estudantes do 9º do ensino fundamental e do 2º ano do ensino médio para se prepararem melhor para o tema. Além de apresentar os espaços do município, a educadora buscou ampliar o conhecimento dos alunos sobre a cultura local e o que ela representa para os moradores.

“Visitamos pessoas mais velhas no entorno da comunidade escolar para ver que histórias elas tinham para contar e como elas perceberam a mudança do local onde vivem. Acredito que é importante eles terem conhecimento não só sobre os espaços, mas também sobre o que acontece neles”, contou a professora.

A escola também recebeu especialistas em crônicas e em documentários que desenvolveram oficinas com os estudantes. “Com as visitas e os ensinamentos eles compreenderam melhor e se sentem mais envolvidos com a competição. Dá para ver que eles querem apresentar uma produção de qualidade, além de se sentirem mais apropriados do local onde vivem”, comentou Cássia.

Os estudantes da Escola Estadual Newton Amaral, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, entrevistaram pessoas mais antigas da comunidade no entorno e também conheceram a cultura da Folia de Reis; objetivo é que eles tenham conteúdo e conhecimento suficiente para escrever sobre o tema da competição:

Olimpíada de Língua Portuguesa

A Olimpíada de Língua Portuguesa é um concurso de produção de textos para alunos de escolas públicas de todo o país. Iniciativa do Ministério da Educação e do Itaú Social, com coordenação técnica do CENPEC, a Olimpíada integra as ações desenvolvidas pelo Programa Escrevendo o Futuro.

Em 2019, o tema das produções é “O lugar onde vivo”, que propicia aos alunos estreitar vínculos com a comunidade e aprofundar o conhecimento sobre a realidade local, contribuindo para o desenvolvimento de sua cidadania. Nesta edição, a homenageada é a escritora mineira Conceição Evaristo.

Para os alunos do 5º ano do ensino fundamental, a categoria escolhida é poema. Já para aqueles do 6º ano e do 7º ano, o estilo escolhido foi memória literária. Os estudantes do 8º e 9º anos têm que escrever crônicas. Para os do 1º e 2º anos do ensino médio, o gênero é documentário. Por fim, os alunos do 3º ano do ensino médio participam da competição com artigos de opinião.

Os professores têm até o dia 9 de agosto para realizarem oficinas de treinamento e preparação de escrita do gênero com os alunos. As fases de seleção têm início no dia 12/8. O cronograma completo pode ser conferido aqui.