A Secretaria de Estado de Educação (SEE), em parceria com as Secretarias de Desenvolvimento Social e de Meio Ambiente e com a Secretaria Municipal de Educação de Brumadinho, realizou, nesta terça-feira (5/2), uma reunião para a construção conjunta de um plano de apoio emocional e psicológico aos alunos, educadores e a comunidade escolar do município de Brumadinho, em função do rompimento de barragem que afetou centenas de pessoas no município da região metropolitana de Belo Horizonte.

O encontro contou com a participação do governador Romeu Zema, da secretária de Educação, Julia Sant’Anna, da secretária de Desenvolvimento Social, Elizabeth Jucá, do secretário de Meio Ambiente, Germano Luiz Gomes, e da secretária municipal de Educação de Brumadinho, Sônia Aparecida Barcelos Maciel. Estiveram presentes, também, representantes de instituições que atuam em prol da Educação e da Assistência Social que foram convidadas para participar da elaboração de estratégias de amparo a crianças, jovens e os envolvidos nas atividades educacionais do município. São elas: Servas, Todos pela Educação, Camino Education, Ensina Brasil, Falconi, Fundação Itaú, Fundação Lemann, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Instituto Península, Instituto Inhotim, Instituto Natura, Instituto Unibanco, Instituto Sonho Grande e Movimento Colabora.

O objetivo do plano em construção é auxiliar na recuperação das referências afetivas e sociais das vítimas desta tragédia. A SEE entende que as crianças e jovens do município merecem ter apoios emocional, psicológico e social, no curto e longo prazos, por tempo suficiente para se tornarem protagonistas da reconstrução de Brumadinho e da sua comunidade.

O governador Romeu Zema agradeceu a presença de todos e afirmou que traçar estratégias de acompanhamento e suporte emocionais para comunidade escolar de Brumadinho é fundamental neste momento. “Obrigado a todos vocês, que aceitaram o convite e dispuseram de seu tempo para estar aqui e ajudar a criar um plano de apoio psicológico aos nossos estudantes. Essa parceria é muito importante neste momento e contem comigo para o que for necessário”, disse o governador.

A secretária Julia Sant’Anna afirmou a importância de unir esforços em prol de todos os estudantes do município, independentemente da rede, e também agradeceu às instituições presentes. “Brumadinho precisa de todo apoio de quem pode estar conosco. Então só tenho a deixar meu ‘muito obrigada’ a cada um de vocês, pessoas tão comprometidas quanto as instituições que representam, e todos estão aqui porque acreditam na qualidade da Educação Básica. Estamos em uma situação muito delicada no município, vai ser muito difícil iniciar o ano letivo, mas estamos aqui com o compromisso de trazer de volta o sorriso aos rostos dos nossos estudantes”, disse Julia.

A reunião foi marcada por relatos emocionantes de pessoas que estiveram diretamente envolvidas nos trabalhos de resgate e apoio às vítimas, como da secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Elizabeth Jucá. “As perdas são muitas, e não existe uma pessoa na cidade que não perdeu alguém ou algo. Acredito que Brumadinho vai ter que se reinventar, em todos os seus aspectos. E aí vamos precisar da ajuda de todos vocês. Porque são essas crianças e adolescentes que vão poder transformar esse município e trazer a alegria a ele novamente”, comentou Elizabeth.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Germano Luiz Gomes, que articula, desde o dia 25 de fevereiro, uma série de ações para evitar piores consequências deste desastre e que luta para que Brumadinho se reestruture, fez um apelo aos participantes. “A educação ambiental formal, ou seja, como parte do plano pedagógico nas instituições de ensino, vai ser mais importante do que nunca. Então eu peço para que vocês aceitem esse desafio de trabalhar com estes estudantes a educação ambiental, obviamente aliada ao apoio emocional porque, se conseguirmos isso, tenho certeza de que vamos atingir a principal estrutura da família: as crianças e os jovens. São eles que vão dar aos seus familiares a sustentação necessária, com o conhecimento e preparação adequados”, colocou Germano.

O depoimento que mais sensibilizou os participantes da reunião partiu da secretária de Educação de Brumadinho. “Cada liderança do município que ajuda a puxar a carruagem está sem forças para fazer com que ela siga em frente em seu curso normal, no seu ritmo habitual. Então a gente precisa, sim, da ajuda de todos. Para dar esse afeto, esse carinho, esse apoio moral, temos muitas pessoas ajudando no município, até da Holanda e do Mato Grosso do Sul, mas elas vão embora. Até quando essas pessoas podem se doar? Então temos que ter realmente um plano de ação institucionalizado para que tudo aconteça no decorrer do ano ou pelo tempo que for necessário”, disse, emocionada, a secretária Sônia.

As aulas da rede municipal de Brumadinho, que começariam no dia 4 de fevereiro, podem se iniciar a partir do dia 11 do mesmo mês, se depender dos esforços das equipes da secretária Sônia . “Estamos tentando nos reerguer para preparar nossos profissionais e começar o ano letivo. Vamos oferecer aos educadores – e entendemos por educadores desde aqueles que limpam, cozinham, abrem o portão, fazem serviços administrativos até os professores, pedagogos e diretores – uma palestra com psicólogo para que eles sejam orientados a como fortalecerem a si próprios, para darem força aos estudantes que, por sua vez, têm também que dar apoio emocional em seus lares. Todo mundo é muito próximo e, no fim, todos fomos atingidos. Temos que fazer uma corrente do bem para que essa situação se normalize ou pelo menos seja amenizada o mais rápido possível”, comentou Sônia.

Diretor de Estratégia Política do Todos Pela Educação, que apoiou o governo no chamamento das outras organizações, João Marcelo Borges foi quem abriu o momento de fala dos representantes das instituições convidadas e deixou sua mensagem aos participantes. “Cada organização vai falar aqui o que tem em seu portfólio, qual a sua expertise, e como enxerga o aporte que pode dar. Disso precisamos até para fazer o diagnóstico e definir a partir de qual momento podemos começar as ações, ou seja, para curto prazo. Vamos pensar em uma resposta emergencial, de suporte psicológico e emocional, mas convido também a refletir sobre o que podemos deixar de positivo para o país com essa experiência, pois vamos conseguir ver esses jovens sendo os transformadores de Brumadinho”, disse Borges.

As demais organizações presentes, solidárias e muito dispostas a colaborar, afirmaram seu compromisso em apoiar o projeto. Com ênfase no protagonismo da população de Brumadinho e atenção para coordenar os esforços adicionais com os já em andamento no município, todos os representantes das instituições apresentaram propostas que se somarão ao plano cuja articulação teve início neste dia 5 de fevereiro.

A construção do plano de apoio emocional e psicológico à comunidade de Brumadinho, a começar por seus estudantes e educadores, envolve ações de curto e longo prazos, com a utilização dos espaços disponíveis das escolas para atendimento. As atividades iniciais serão de diagnóstico das necessidades de cada unidade escolar e de suas respectivas comunidades e os projetos vão contemplar, inicialmente, quatro pontos principais: acompanhamento psicológico de educadores; assistência psicoemocional aos alunos; continuidade das atividades de apoio afetivo e social e presença constante de equipes de suporte e ampliação de atendimento para além da comunidade escolar, como amparo a familiares e amigos de vítimas e atingidos, com possibilidade de abertura de escolas no turno da noite ou aos fins de semana.

Em Brumadinho, de acordo com o Censo Escolar/Inep de 2018, são cerca de 8 mil estudantes das redes estadual, que conta com três escolas, municipal, que coordena 21 unidades escolares e privada, que mantém três instituições de ensino.