O Dia D de Combate ao Aedes incluiu uma caminhadas dos estudantes para alertar e conscientizar a população sobre a importância de prevenir a proliferação do mosquito. Foto: Gil Leonardi - Imprensa MG

Na última sexta-feira (30/11), escolas estaduais e municipais de Pedro Leopoldo, na região Metropolitana de Belo Horizonte, atenderam ao chamado do Ministério da Saúde e uniram esforços no enfrentamento ao mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças dengue, zika e chikungunya. O Dia D de combate ao Aedes teve suas ações centralizadas na Escola Estadual Imaculada Conceição e contou com caminhada, grafite, exposição de projetos, muita música e aprendizado.

“Não podemos deixar água parada, porque pode aumentar a quantidade de mosquitos e as doenças transmitidas por eles podem até matar”, essa foi uma das coisas que Maria Laura de Moura Soares, aluna do 4º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Heitor Cláudio de Sales, em Pedro Leopoldo, aprendeu ao visitar as salas temáticas na Escola Estadual Imaculada Conceição.

Em um “circuito”, a estudante aprendeu sobre as doenças transmitidas pelo mosquito, os tratamentos e as formas de prevenção. Todo o aprendizado teve como base uma história fictícia. “Fizemos um túnel e essas pessoas que estão aqui são como os últimos habitantes da Terra, que o mosquito destruiu. Tivemos essa ideia para orientar as pessoas para terem cuidado e se tratarem direitinho”, afirma a estudante Yasmin Diniz, do 1º ano do Ensino Médio da Escola Imaculada Conceição.

Os estudantes e visitantes do evento puderam aprender um pouco mais sobre as doenças transmitidas pelo Aedes e suas formas de prevenção e tratamento. Foto: Gil Leonardi - Imprensa MG

Os alunos Bruno Simões e Gabriel Vieira, do 2º ano do Ensino Médio, aproveitaram o Dia D para apresentar à comunidade o projeto de plástico biodegradável feito de materiais orgânicos, como batata e mandioca. “A gente bateu esse material no liquidificador e retirou apenas o amido. Depois acrescentamos mais três ingredientes, que foi a água, a glicerina e o vinagre. Colocamos o material em um recipiente, aquecemos até formar um tipo de geleira, colocamos em uma forma e deixamos secando por três ou quatro dias. Depois desse tempo, ele acabou se transformando em um plástico”, revela Gabriel Vieira.

Já Bruno conta como o plástico criado por eles pode ajudar o meio ambiente. “Ele se decompõe entre 15 e 20 dias, enquanto os outros plásticos levam semanas. Ele também não é inflamável. A importância do nosso projeto para ajudar a reduzir a incidência das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é que o plástico que é jogado no chão pode acumular água por um longo tempo. Com o nosso, a decomposição é mais rápida e pode acontecer em qualquer ambiente”.

Estudantes apresentaram no Dia D o projeto de plástico biodegradável feito de materiais orgânicos, como batata e mandioca. Foto: Gil Leonardi - Imprensa MG

O diretor da escola, Marcos Antônio Souza, destaca a importância de ações como essa acontecerem dentro da escola. “A sociedade acontece dentro da escola. Se não fizermos ações assim o acesso da população será reduzido”. As ações do Dia D na escola também contaram com apresentações teatrais e da fanfarra da Escola Estadual Magno Claret.

A mobilização do Dia D de combate ao Aedes pretendeu mostrar que a união de todos, governo e população, é a melhor forma de derrotar o mosquito, principalmente nos meses de novembro a maio, considerados o período epidêmico para as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Neste período, o calor e as chuvas são condições ideais para a sua proliferação.

Muro Inteligente

O município de Pedro Leopoldo conta com 14 muros inteligentes distribuídos por escolas e postos de saúde. Criados pela Rede Comunitária em Ação (Recoa), a iniciativa também funciona na Escola Estadual Imaculada Conceição. A partir de desenhos grafitados no muro, alunos e comunidade são estimulados a depositar os materiais recicláveis nas lixeiras.

No Dia D de combate ao Aedes, o muro foi alimentado pelos alunos do 4º ano do Ensino Fundamental que participam do projeto Guardiões da Reciclagem, da Escola Municipal Heitor Cláudio de Sales. “O nosso projeto foi criado com o propósito de alimentar o muro inteligente da nossa escola e a ideia era manter o muro cheio de reciclável. Toda quarta-feira os alunos trazem recicláveis de casa. Eles enchem o muro e a associação de catadores de Pedro Leopoldo faz a coleta”, conta a professora Conceição Lima Lopes.

No muro inteligente, criado em 14 pontos da cidade de Pedro Leopoldo (escolas e postos de saúde), as pessoas podem depositar os materiais recicláveis descartados. Foto: Gil Leonardi - Imprensa MG

Nota Técnica

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) e a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) elaboraram uma nota técnica em conjunto que foi enviada para as Superintendências Regionais de Ensino e escolas estaduais orientando sobre cuidados e ações em conjunto nas escolas com as Unidades Básicas de Saúde.

Ações no Estado

Em Minas Gerais, o governo estadual, por meio do Comitê Gestor Estadual de Enfrentamento ao AEDES, que é coordenado pela SES (Secretaria de Estado da Saúde), participa e reforça as ações, dando continuidade com a campanha do ano passado "Com o AEDES não se Brinca".

Conforme dados do boletim epidemiológico da SES-MG, divulgado no dia 19/11, neste ano, até o momento, Minas Gerais já registrou 26.155 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de Dengue. Em 2018, até o momento, 8 (oito) óbitos foram confirmados por dengue, residentes nos municípios de Araújos, Arcos, Conceição do Pará, Contagem, Ituiutaba, Lagoa da Prata, Moema e Uberaba. Há 11 (onze) óbitos em investigação por dengue.

Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registrou 11.660 casos prováveis da doença, concentrados na região do Vale do Aço. Até o momento, foi confirmado 1 (um) óbito por Chikungunya no município de Coronel Fabriciano em 2018; há 2 (dois) óbitos em investigação.